Brasil tem prejuízo de mais de R$ 200 bilhões com comércio ilegal, aponta presidente do ETCO em reunião da Fecomércio-RS

A Comissão de Combate à Informalidade da Fecomércio-RS, coordenada pelo vice-presidente Daniel Amadio, se reuniu virtualmente na tarde desta terça-feira, dia 09, para tratar assuntos pertinentes à causa. O presidente do Instituto Brasileiro de Ética Concorrencial (ETCO), Edson Vismona, abriu o encontro falando sobre os prejuízos do mercado ilegal no Brasil. O ETCO é uma organização da sociedade civil de interesse público que promove a integridade no ambiente de negócios.

Segundo os dados apresentados por Vismona, somente em 2019, o Brasil teve um prejuízo de R$ 291,4 bilhões em perdas setoriais e sonegação de impostos. Dentro deste total, o maior impacto vem de setores produtivos como vestuário, produtos de higiene, combustíveis, bebidas alcoólicas, cigarros e óculos, que contabilizaram uma perda no valor de R$ 199,6 bilhões. “O crime ocupa o espaço e concorre com o Estado diretamente. Como entidades, temos que agir na prevenção e repressão da ilegalidade alertando a sociedade sobre esse problema e despertando atenção para isso permanentemente”, disse Vismona.

A economista-chefe da Fecomércio-RS, Patrícia Palermo, trouxe alguns dados sobre postos de trabalho, divulgados pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged). O Rio Grande do Sul, que figura entre os estados com taxas de desemprego mais baixas do país, destruiu cerca de 30 mil postos de trabalho em janeiro e fevereiro. O cenário trágico, segundo Patrícia, chegou com os meses de março e abril: 89 mil postos de trabalho foram destruídos.

Cerca de 20 municípios gaúchos respondem por esse número de demissões, entre eles Porto Alegre em primeiro lugar, com 17 mil demissões, e Caxias do sul em segundo, com o fechamento de 5.800 de postos de trabalho. Uma cidade que geralmente não aparece nessa lista é Gramado e, desta vez, figurou em sétimo lugar. Isso porque, segundo a economista, o turismo da região foi diretamente afetado com as medidas de isolamento social. Patrícia reforçou que o dado “trágico” sobre a destruição de postos de trabalho pode levar a informalidade a ganhar mais espaço nesse novo cenário, por isso, os empresários devem estar preparados para este desafio.

<ascom@fecomercio-rs.org.br>

 

Compartilhe!!

Jandir Lautert

Editor Chefe Especialista em reconhecimento pessoal e empresarial, no Sul do país e Mercosul, em eventos sociais e empresariais e premiações importantes SÌMBOLO produções

error: Content is protected !!